24.4.18

A HISTÓRIA DE UMA FOTO HISTÓRICA

Lula vota para presidente em 1989 - foto Cibele Aragão


Em sua primeira disputa à Presidência da República, em 1989, Lula foi para o segundo turno contra Fernando Collor, que acabaria vencendo a disputa.

No dia da votação havia uma dúvida sobre onde Lula iria votar – como candidato poderia escolher qualquer colégio eleitoral. Naquele dia, o então candidato do PT abriu a sua casa em São Bernardo para um café da manhã com a imprensa, conversou descontraidamente e saiu para votar. A multidão de repórteres, fotógrafos e cinegrafistas o seguiram em uma caravana que lembrava um bando de paparazzi ao redor de algum astro de cinema.
Eu não tinha carro. Fiquei para trás, mas por sorte (mais imprudência do que sorte) parei uma moto e pedi para me levar até o colégio onde Lula votaria. O cara fez uma cara de incredulidade, mas aceitou o pouco dinheiro que tinha.

O “primeiro mototáxi de São Bernardo” era habilidoso e consegui chegar lá antes do que muitos outros colegas, que ainda procuravam lugar para estacionar.

A multidão já se formava na porta da sala onde aguardavam Lula. Ele entrou e a multidão de fotógrafos tentou entrar atrás. Vi fotógrafa Cibele Aragão no emaranhado e a puxei para dentro enquanto me acotovelava com um cinegrafista da Rede Globo que insistia em dizer “primeiro a televisão”. Claro que ninguém deu bola para ele.

Lula votou, posou para as fotos colocando o voto na urna (ainda não eletrônica), beijou a cédula, depositando ali, mais do que um voto, depositou ali o voto de confiança na democracia – hoje tão abalada pelo golpe.

Lembrei dessa história remexendo no baú de fotos antigas. Encontrei as que tirei dele naquela sala lotada, em 15 de novembro de 1989. Encontrei, também, duas da Cibele, que reproduzo aqui.

Salve, Lula, guerreiro da democracia!  

23.4.18

Adeus, poeta!





No dia 20 de abril recebemos a triste notícia do falecimento de Múcio Goes, expressivo poeta pernambucano. Tetraplégico há muitos anos por conta de um acidente de automóvel, Múcio colocou na poesia todo seu amor à vida e sua força de vontade de viver, apesar da constante debilidade de sua saúde e de seu corpo.

Ele não está mais entre nós, foi poetar em outros mares, mas sua poesia continua sendo uma inspiração para milhares de seus fãs e, com certeza, o tempo fará sua obra ser ainda mais reconhecida e admirada do grande público.

Pela Limiar Múcio publicou dois livros: O avesso e o verso e Haicaos, este em parceria com a poeta Sandra Regina.



Leve sua alegria e sua poesia onde estiver, caro poeta!